Belterra



O município está ao lado da Floresta Nacional do Tapajós (Flona), e possui cerca de 17.624 habitantes segundo o censo do IBGE (2018)

Histórico
Com a expansão do comércio da borracha, por volta de 1840, iniciou-se uma nova fase de ocupação da Amazônia. Por causa da grande procura pelas seringueiras quase toda a região foi explorada. A origem do município de Belterra está intimamente ligada a essa época. O milionário Henry Ford queria transformar mais dos seus sonhos em realidade.

O objetivo do dono da Companhia Ford, líder na indústria automobilística nos Estados Unidos, era implantar um cultivo racional de seringueiras na Amazônia, transformando-a na maior produtora de borracha natural do mundo. Nascia, então, a Fordlândia, localizada entre os municípios de Itaituba e Aveiro, que tinha cerca de um milhão de hectares de terras que o governo brasileiro teria cedido à Ford.

A vila teria toda a infraestrutura de uma cidade moderna Made In EUA. Mas, o sonho não aconteceu, pois a Fordlândia não era uma área propícia para ser base de implantação do projeto. Por isso, técnicos da Holanda e EUA iniciaram intensas investigações para encontrar uma área que fosse ideal para o projeto da Companhia Ford.

A descoberta era perfeita: uma planície elevada às margens do Rio Tapajós, coberta por densa floresta. A essa área Ford chamou de 'Bela Terra', que depois passou a ser chamada de 'Belterra'. A partir daí, o projeto começava a se tornar realidade, e Belterra ficou conhecida como 'a cidade americana no coração da Amazônia'.

O projeto teve início e uma estrutura nunca antes montada em toda a região foi dando vida à futura cidade modelo. Hospitais, escolas, casas no estilo americano, mercearias, portos próximos à praia foram construídos para abrigar as famílias de todos os empregados que estavam trabalhando no projeto. Grande parte dos trabalhadores braçais vinha do sertão nordestino, fugindo da seca, e encontravam no projeto de Henry Ford a salvação.

Em cinco anos, o projeto ganhou dimensões incomuns para a região naquela época: campos de atletismo, lojas, prédios de recreação, clube de sinuca, cinema. De 1938 a 1940, Belterra viveu o seu período áureo e foi considerado o maior produtor individual de seringa do mundo.

No entanto, o final da 2ª Guerra Mundial, a morte do filho de Henry Ford, a grande incidência de doenças nos seringais e, principalmente, a descoberta da borracha sintética na Malásia foram fulminantes para a decadência do projeto em Belterra. A partir daí, a área foi negociada para o Brasil e a Companhia Ford abandonou o sonho.

Durante 39 anos, Belterra foi esquecida e a 'cidade americana' foi transformada, entre outras denominações, em Estabelecimento Rural do Tapajós (ERT), ficando sob jurisdição do Ministério da Agricultura. Somente em 1997, os moradores de Belterra conseguiram a emancipação do município.

Distrito criado com a denominação de Belterra ex-povoado, pela lei estadual nº 62, de 3112-1947, desmembrado de do distrito de Alter do Chão, subordinado ao município de Santarém. No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o distrito de Belterra permanece no município de Santarém.

Cultura 
Belterra possui vasto e rico patrimônio histórico, herdado da implantação do ‘Projeto Ford’, em 1934. O magnata Henry Ford sonhava em construir um império no coração da Amazônia, usando a riqueza oriunda da exploração do látex natural. Nascia o então chamado Ciclo da Borracha.

O projeto ambicioso de Ford, contudo, não durou por muito tempo, mas deixou uma estrutura urbana invejável à época para os padrões locais e baseada na arquitetura norte-americana, entre casas pré-fabricadas em madeira, hidrantes, caixas d’água, escolas e um até hospital.

O Museu de Ciências da Amazônia
usará a educação para estimular o turismo e disseminar cultura, explorando a riqueza cultural deixada pela passagem do ciclo da borracha no município e seu patrimônio natural.

Homenagem à esposa do presidente Getúlio Vargas
Bem no coração da Estrada Oito existe a Escola Municipal de Ensino Fundamental Darcy Vargas, construída em homenagem à esposa do presidente Getúlio Vargas que visitou o projeto da Cia. Ford em 10 de outubro de 1940. Anteriormente, o prédio foi inaugurado no dia 28 de outubro de 1939 com o nome de “Grupo Escolar Edsel Ford”, único filho de Henry Ford.

O padroeiro da cidade 
A Igreja Matriz de Santo Antônio de Pádua o padroeiro da cidade, a qual, depois de muita resistência dos administradores americanos, foi autorizada a construção da primeira igreja católica em madeira e, posteriormente, demolida para ser construída em alvenaria.

Casas do alto escalão da Ford 
Vila Mensalista, onde suas casas abrigavam à época o alto escalão da Cia. Ford. A arquitetura desses imóveis eram iguais às que foram construídas nos EUA por Henry Ford, com uma diferença, as casas de Alberta continham lareira por causa da época invernosa, já nas de Belterra não houve necessidade.

Foi o melhor hospital da América Latina 
O Bosque das Seringueiras e Hospital Henry Ford, onde está parte do que foi um dia “Plantações Ford de Belterra”. Sobre o antigo Hospital Henry Ford, resta a lembrança daquele que foi o melhor hospital da América Latina a partir de sua fundação, nos idos de 15 de outubro de 1938.

Referência de pesquisa imaterial
O Centro de Memória de Belterra/CMB. Esta construção foi a residência oficial dos médicos à época. O primeiro médico americano a chegar em Belterra e chefiar o hospital foi Kenneth Waddell. Hoje, o prédio é referência de pesquisa imaterial da história de Belterra.

Economi
A economia do município varia desde a pesca, extrativismo vegetal até os pontos turísticos. A expectativa é que nos próximos anos, continue havendo um grande crescimento demográfico no município, para tanto, é dever do governo, e das empresas inseridas nos locais, se responsabilizarem por realizar políticas públicas e obras que perpassem o quadro atual e contemplem as perspectivas futuras.

Belterra e o Plebiscito do Estado do Tapajós – 2011 
A cidade de Belterra, assim como todas as outras que fazem parte do que será o Estado do Tapajós, teve uma votação de forma totalmente positiva para a criação do mesmo.

Com 5.059 votos a favor e apenas 39 votos contra. A população expressa o grande sentimento de compor esse que será o mais novo Estado do Brasil.

Pesquisa e Texto por Alan do Faro

Nenhum comentário