Oriximiná


“Princesa do Trombetas”
 O município é detentor de grande potencial econômico, baseado principalmente no extrativismo mineral, pois é grande produtor de bauxita, com população estimada 72.160 pessoas segundo o censo do IBGE 2018.


Foto: Igreja Santo Antônio anos 60 - Odilson Sá
Histórico
Em 1877, o Padre José Nicolino de Souza, foi um dos que primeiro desbravou as terras firmes, localizadas à margem esquerda do rio Trombetas, onde fundou uma povoação denominando-a Uruaã - Tapera ou Mura – Tapera. 

Através da Lei nº 1.288, de 11 de dezembro de 1886, foi elevada à categoria de freguesia, com o nome de Santo Antônio do Uruá-Tapera, pelo Dr. Joaquim da Costa Barradas, presidente da Província do Pará e desembargador do Maranhão, sob o orago de Santo Antônio e que passou a ser também o nome oficial, de Uruá-Tapera. 

A atual cidade oriximinaense entrou no Regime Republicano e em 9 de junho de 1894, no governo de Lauro Sodré, foi elevado à categoria de vila, já com o nome de Oriximiná, e instalado o Município, no dia 5 de dezembro do mesmo ano, sendo nomeado para prefeito o senhor Pedro Carlos de Oliveira. 

Entretanto, em 1900, durante o governo do Dr. Paes de Carvalho, dissidências políticas concorreram para a extinção dos municípios de Juruti, Oriximiná e Quatipuru através da Lei nº 729 de 3 de abril. O território de Oriximiná deveria ser dividido entre os municípios de Faro e Óbidos, o que, na realidade, não aconteceu pelo fato de o Município ficar anexado somente ao segundo. 

Somente após a vitória da Revolução de 1930 é que Oriximiná reconquistou a sua autonomia municipal. O então Major Magalhães Barata, interventor federal do Pará, em 24 de dezembro de 1930, com a Lei nº 1.442, restabeleceu o Município com um território menor do que aquele criado na época do governo Lauro Sodré. 

O nome Oriximiná é de origem indígena, de procedência Tupi, que significa “o macho da abelha”, o zangão. No entanto, Frei Protásio Frinckel, conhecedor da região e de seus diversos núcleos de habitantes primitivos, inclina-se pela derivação de Eruzu-M’Na. que significa “muitas Praias”. O Município constitui-se somente do distrito-sede de Oriximiná. O gentílico é Oriximinaense.

Cultura 
O município de Oriximiná é rico em manifestações religiosas. No mês de janeiro acontece a festa de São Sebastião, que na sua celebração litúrgica, é acompanhada de procissão e novenas e, no lado profano, da realização de um leilão para angariar recursos financeiros para a paróquia.

No mês de março, por sua vez, acontece a Festa de São José, acompanhada pela procissão dos operários. Há, ainda, a Festa de Santo Antônio, no mês de agosto, são acompanhados por Círio fluvial. Durante toda esta festividade religiosa, é montado o arraial, com música no coreto, leilão e barraquinhas.

Outras festividades são destaques no Município, tais como a quadra carnavalesca, a quadra junina, a Festa da Castanha-do-Pará, a Pesca do Tucunaré e as comemorações do aniversário do Município. Embora Oriximiná seja uma cidade centenária, não apresenta monumentos históricos expressivos.

Entretanto, não se pode deixar de contemplar a beleza de igreja Matriz de Oriximiná. A cidade registra, também, uma Biblioteca Pública e uma Casa da Cultura, vinculadas à Prefeitura Municipal. Outro ponto a ser destacado é a diversidade étnica e cultural da população local. Ao longo das margens do Rio Trombetas encontram-se comunidades quilombolas e populações indígenas, além da população urbana que vive no distrito.

Pontos Turísticos
O turista que visita a cidade, pode desfrutar de suas belezas paisagísticas, como é o caso da Praça do Centenário, uma das maiores da região; Praça da Saudade, onde pode assistir o lindo pôr-do-sol que a mãe natureza presenteia aos oriximinaense; Praça da Matriz, onde na época do maior Círio Fluvial Noturno do Mundo, em homenagem ao Santo Antônio, padroeiro da cidade, Oriximiná recebe centenas de turistas de todas as partes, além de hotéis e um sistema de transporte de moto táxi.

Economia
A economia do município gira em torno das jazidas de bauxita e da grande concentração de castanha do Pará, abrigando um dos mais importantes projetos minerais do Estado, o Projeto Trombetas, da Mineração Rio do Norte, que explora as jazidas de bauxita do Vale do Trombetas.

Oriximiná está inserido no segundo Estado em importância para o setor mineral do País. De acordo com o IBGE, o município tem o setor industrial como atividade predominante. 

Localização
O município de Oriximiná pertence a mesorregião Baixo Amazonas e a microrregião Óbidos. A sede municipal apresenta as seguintes coordenadas geográficas: 01º 46’ 00 “S e 55º 51’ 30” W.Gr.

Limites 
Ao Norte - Guiana Francesa e Suriname 
A Leste - Município de Óbidos 
Ao Sul - Municípios de Juruti e Terra Santa 
A Oeste - Município de Faro

Solo
É complexa a distribuição dos solos existentes no Município. Destacam-se o Podzólico Vermelho-Amarelo textura argilosa e o Podzólico Vermelho-Amarelo equivalente eutrófico, textura argilosa; Latossolo amarelo distrófico textura média e argilosa; Podzólico Vermelho-Amarelo textura média e Areia quartzosa; Gley Pouco Húmico eutrófico textura indiscriminada e Aluviais eutróficos, em associações.

Vegetação 
O município de Oriximiná é quase totalmente recoberto pela Floresta Densa, assumindo inúmeras variações de porte e composição, de acordo com a fisiografia, solos e teor de umidade.

Entre essas feições ou subtipos, destacam-se a Floresta Densa dos Platôs (altos e baixos), ao longo das margens do baixo curso do rio Trombetas, a Floresta Densa submontana em relevo aplainado, e em platô e relevo dissecado do Complexo Guianense e a floresta das baixas cadeias de montanhas.

Na margem do rio Amazonas, vegeta um complexo de campos intercalados com formações arbustivas e subarbustivas, características das zonas de inundações. 

Patrimônio Cultural
O rio Trombetas destaca-se pela grandiosidade de ilhas, praias e cachoeiras. 
O Município é rico em recursos naturais, com grande número de lagos, tabuleiros de tartarugas e cachoeiras, registrando-se a do Chuvisco, no rio Erepecuru, com queda de 26 metros, projetando-se sobre uma gruta existente na base.

O Governo Federal criou a Reserva Biológica do rio Trombetas, com 385.000 (3.850 km²) para a preservação da floresta e fauna. As áreas dos quilombos Acapu, Erepecuru e Trombetas estão protegidas pela Constituição Federal.

Clima
As características climáticas do Município não diferem muito das de sua região. A temperatura do ar é sempre elevada, com média anual de 25,6ºC e valores médios para as máximas e mínimas entre 21ºC e 22,5ºC. 

Quanto à umidade relativa, esta apresenta valores acima de 80%, em quase todos os meses do ano. A pluviosidade se aproxima dos 2.000 mm anuais. Entretanto é um tanto irregular durante o ano. As estações chuvosas coincidem com os meses de dezembro a junho e, as menos chuvosas, de julho a novembro.

O tipo climático da região é o Am que se traduz como um clima, cuja média mensal de temperatura mínima é superior a 18ºC. Tem uma estação seca de pequena duração e amplitude térmica inferior a 5ºC, entre as médias do mês mais quente e do mês menos quente.

Oriximiná e o Plebiscito do Estado do Tapajós – 2011
A cidade de Oriximiná, assim como todas as outras que fazem parte do que será o Estado do Tapajós, teve uma votação de forma totalmente positiva para a criação do mesmo. Com 20.773 votos a favor e apenas 4.937 votos contra. A população expressa o grande sentimento de compor esse que será o mais novo Estado do Brasil.


Pesquisa e Texto por Alan Martins

Nenhum comentário